terça-feira, agosto 15, 2006

Fábula nº 1: O Desconhecido e a Borboleta!

Um dia, um Desconhecido resolveu sair de casa pra uma festa. Mal sabia ele... Ou bem sabia...
Festa bacana. Gente bonita. Tudo bem servido. Cerveja gelada. Bebidas gostosas. Quitutes e guloseimas... Hummm!!! Música boa... Da banda ao DJ. Também pudera, pelo preço que ele pagou.
Ótimo. Tudo corria bem, dentro de uma normalidade até que o Desconhecido avistou uma borboleta... Era a Borboleta mais linda que ele havia visto na vida! Perfeita! Voava como se estivesse dançando. Ele estava vidrado. Não conseguia tirar os olhos. Ela, voava, ao som da música ambiente. O tempo passou, ele a perdeu de vista e quando a encontrou ela já havia pousado. Tristeza, mas a vida segue.
O tempo passa. Festas acontecem novamente na floresta. O Desconhecido, querendo ficar conhecido, resolve mostrar as caras novamente. Paga e vai! Vai pra ver qual é.
Festa não tão bacana. Música boa. Muita gente. A floresta ficou pequena. Isso é péssimo! Apesar de tudo, uma coisa boa... A Borboleta estava lá! Linda! Pra variar. Fui... timidamente chegando perto. Chegando mais perto e pensando: “será que ela vai pousar por aqui”? Cheguei mais perto. Parei com medo de espantar. Pertinho. E ela? Nada. Nem me viu. A floresta continuou enchendo, não me cabia mais... fui embora!
A vida dá voltas...
Outro dia, um amigo conhecido do Desconhecido liga pra ele. Chega mais! Estou na copa de uma árvore e você não adivinha quem está aqui... a Borboleta!
Óbvio, fui na hora! Pensando no melhor... e no pior...
Cheguei. Subi. Apresentações à parte, agora o Desconhecido não era assim tão desconhecido. Quem interessava já não o estranhava mais! Maravilha... primeiro passo! Ele ficou lá. Olhando. Prestando atenção. Sorrindo. Tudo pra uma só coisa!
Papo vai, sorrisos vêm! E mais um problema. Como exalar seu perfume pra Borboleta pousar. Problema...
Quando tem que acontecer, as coisas acontecem. De um jeito ou de outro. A borboleta se aproxima e, por mais discreto que seja (ou não), ela sente o perfume. Senti e pousa!
Êxtase! O desconhecido sai de si. Não acredita que entre tantas arvores, animais, pessoas, ela finalmente pousou. Nele! Tudo de bom! Minutos juntos. Poderiam ser horas…
E agora?
Agora, ele já está mais a vontade. Ela também!
Outros pousos podem acontecer. Vão acontecer! Afinal, o cheiro foi bom. O toque também.

Um comentário:

Borboleta disse...

Que texto hein?! O que dizer? Super profundo e cativante... :-) As pessoas nos conquistam assim,com o seu jeito simples de ser,pleno na sua rara existência! Quero pousar ainda várias vezes no seu jardim,ele é o melhor deles humm! Como não ter conhecido esse jardim antes,tão aconchegante e lindo??? Ah,porque tudo na vida da gente tem o momento certo de acontecer,no lugar certo,com o jardim certo e com o jardim + florido!! :-D Me deu saudades de você só de te escrever aqui... :'(
Super,hiper,meeeega beijo da BORBOLETA.....................